ATUALIZAÇÕES DO SIECON

Saiba o que há de novo nas últimas versões do ERP SIECON, implementações e melhorias por versões e por módulos... Saiba Mais! »

SOLUÇÃO FAST PARA PMEs

Novo SIECON Fast para empresas de pequeno e médio portes que querem se organizar a um custo mais acessível... Saiba Mais! »

SISTEMA ERP ESPECÍFICO

O Software ERP SIECON atua em todos os Segmentos da Construção Civil Saiba Mais! »

CANTEIRO DE OBRAS ON-LINE

Mais Mobilidade e total controle de todas as rotinas e interligação de áreas com o Conteiro de Obras. Saiba Mais! »

MAIS CREDIBILIDADE

A Poliview está presente em todo território nacional com mais de 400 Clientes e 8.000 usuários do SIECON. Saiba Mais! »

SOLUÇÃO SOB MEDIDA

O software Siecon é uma solução modular e customizável, específica para as necessidades dos setores e processos da Construção Civil. Saiba Mais! »

REDUZA CUSTOS

Elimine o retrabalho de sua Construtora, otimize seu tempo e o de sua Equipe. Saiba Mais! »

CONSULTORIA EM PROCESSOS

Melhoria contínua na utilização de ERP, eleve seu nível de maturidade organizacional. Saiba Mais! »

INTEGRE TODOS OS DEPARTAMENTOS

Integre o fluxo de informações entre departamentos em sua Construtora Saiba Mais! »

Informação detalhada de todos os Módulos e Processos de ERP SIECON. Tudo sobre o SIECON a qualquer hora e em qualquer lugar. Saiba Mais! »

 

Preços de imóveis ficarão estáveis em 2014, diz Secovi-SP

06 de Março de 2014

Presidente do sindicato das empresas do ramo de habitação do estado de São Paulo acredita que mercado imobiliário paulista deve crescer pouco em 2014

Apesar do crescimento de 23,6% nas vendas de imóveis residenciais novos em 2013 – com 33.319 unidades vendidas, contra 26.958 unidades vendidas em 2012 – o presidente do Secovi-SP, Claudio Bernardes, acredita que 2014 verá uma estabilização no mercado imobiliário.
“Não achamos que o mercado tenha muito espaço pra crescer, e se crescer, vai crescer pouco”, afirma Bernardes.

Para ele, os preços dos imóveis novos devem ficar estáveis em 2014, em termos reais (descontada a inflação), a não ser que haja distorções, como o aumento de participação dos imóveis de um quarto que ocorreu em 2013 na cidade de São Paulo, elevando o preço médio do metro quadrado.

Segundo Bernardes, eventos como Copa do Mundo e eleições desviam a atenção das pessoas da compra de imóveis, e particularmente as eleições as deixam mais inseguras em relação ao rumo da economia. O desemprego baixo, acrescenta ele, é que ainda pesa positivamente para o mercado imobiliário.

Imóveis de um quarto elevaram preço do metro quadrado

De acordo com o Balanço do Mercado Imobiliário 2013 do Secovi-SP, divulgado nesta terça-feira, o preço médio do metro quadrado na capital passou de 7.200 reais em 2012 para 8.700 reais em 2013.

Mas de acordo com Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP, essa elevação se deve principalmente ao aumento da participação dos apartamentos de um dormitório nas vendas. “Os imóveis compactos têm metro quadrado mais caro que os demais e acabam puxando o aumento dos preços”, diz.

O segmento de um dormitório foi o grande destaque do ano, com 8.931 unidades vendidas, um crescimento de 99,7% em relação a 2012, quando foram comercializadas 4.202 unidades.

Com o crescimento, o segmento de um dormitório ampliou sua participação nas vendas de imóveis novos, passando de 15,6% para 25,2% de 2012 para 2013.

Crescimento acima do esperado em 2013

Ainda segundo Petrucci, o crescimento do mercado imobiliário em 2013 já foi acima do esperado. “O mercado imobiliário se descolou do mercado em geral. Mesmo com a economia indo muito mal, os fundamentos para que o mercado imobiliário continuasse crescendo continuaram fortes”, diz.

Segundo ele, entre esses fundamentos destacam-se o crescimento da população economicamente ativa, a mudança nos arranjos familiares, com mais jovens saindo de casa e mais pessoas morando sozinhas, o aumento da renda, o baixo nível de desemprego e o baixo custo do crédito imobiliário.

“Hoje, o custo médio do financiamento imobiliário com recursos da caderneta de poupança é de 9% ou 10% ao ano, enquanto que o cartão de crédtio rotativo tem juros médios de quase 200% ao ano, assim como credito pessoal”, afirma Petrucci.

Fonte: http://exame.abril.com.br/